Antimicoticos Ginecologicos



Flunazol

Indicação

Para quê serve Flunazol?

Tratamento da candidíase vaginal aguda ou recorrente e no tratamento de dermatofitoses (tinha do pé, do corpo e crural).

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Não deve ser usado em pacientes com conhecida sensibilidade à droga ou a compostos tiazólicos. - Advertências: como não está claramente definida a possibilidade de ocorrerem raras reações hepatotóxicas, recomenda-se a avaliação dos parâmetros da função hepática caso apareçam sintomas que justifiquem este procedimento. Esta advertência fundamenta-se em raríssimos casos de pacientes com doenças debilitantes que tomavam várias medicações além de fluconazol em doses múltiplas e que tiveram problemas hepáticos graves. Como a relação causal com fluconazol não pode ser excluída, nos pacientes em que ocorra aumento significativo das enzimas hepáticas a relação risco/benefício da manutenção do tratamento com fluconazol deve ser avaliada.

Posologia

Como usar Flunazol?

Candidíase vaginal: dose oral única de 150 miligramas Dermatofitoses: dose oral única semanal de 150 miligramas A duração do tratamento é geralmente de 2 a 4 semanas, mas nos casos de Tinea pedis um tratamento de até 6 semanas poderá ser necessário. Idosos: nos casos onde não há evidências de insuficiência renal, devem ser utilizadas as doses normais. Para pacientes com insuficiência renal (clearance de creatinina < 50 ml/min) a dose deve ser ajustada conforme descrito abaixo. Pacientes com insuficiência renal: Flunazol (fluconazol) é excretado predominantemente de forma inalterada na urina. Não são necessários ajustes na terapia com dose única ou com dose única semanal ou fluconazol. Em pacientes com insuficiência renal que utilizarão doses múltiplas de fluconazol, uma dose inicial de 50 miligramas a 400 miligramas deve ser adotada. Após a dose inicial, a dose diária (de acordo com a indicação) deve estar baseada no esquema a seguir: clearance de creatinina (ml/min) x porcentagem de dose recomendada: > 50: 100%, 21 - 50: 50%, 11 - 20: 25%. Pacientes recebendo diálise regularmente: uma dose após cada sessão de diálise. - Superdosagem: quando ocorrer a superdosagem o tratamento sintomático poderá ser adotado, incluindo, se necessário, medidas de suporte e lavagem gástrica. O fluconazol é largamente excretado na urina; a diurese forçada deverá aumentar a taxa de eliminação, uma sessão de hemodiálise de 3 horas diminui os níveis plasmáticos em aproximadamente 50%.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

O fluconazol é geralmente bem tolerado. Os efeitos indesejáveis mais comumente associados ao fluconazol são sintomas relacionados ao trato gastrintestinal. Estão incluídas náuseas, dor abdominal, diarréia e flatulência. Após os sintomas gastrintestinais, o segundo efeito colateral mais comumente observado foi o rash.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Uso durante a gravidez: como o uso de fluconazol e a sua segurança durante a gravidez ainda não foram estabelecidos, o seu uso deverá ser evitado, exceto em pacientes com infecções fúngicas severas ou com potencial risco de vida, nos quais o médico deverá avaliar os benefícios do fluconazol contra seus possíveis riscos para o feto. - Uso durante a lactação: não existem dados disponíveis referentes às concentrações de fluconazol no leite materno. E, desta maneira, seu uso é contraindicado na fase de amamentação. - Uso em crianças: os dados disponíveis sobre o uso de fluconazol em crianças com idade abaixo de 16 anos são limitados e, portanto, seu uso não é recomendado, a menos que o tratamento antifúngico seja imperativo e não existam agentes disponíveis alternativos adequados. Interações medicamentosas: o fluconazol prolonga os tempos de protrombina em voluntários normais recebendo warfarina. Embora a alteração tenha sido pequena (cerca de 12%), recomenda-se cuidadosa monitorização do tempo de protrombina em pacientes que estejam recebendo anticoagulantes cumarínicos. O fluconazol prolonga a meia-vida plasmática de sulfoniluréias orais administradas concomitantemente (clorpropamida, glibenclamida, glipizídeos e talbutamida). Fluconazol e sulfoniluréias orais podem ser co-administrados a pacientes diabéticos, mas, neste caso, deve-se observar a possibilidade da ocorrência de hipoglicemia. A hidroclorotiazida aumenta o nível plasmático de fluconazol (cerca de 40%). Esta alteração não deverá requerer mudança do regime de dosagem do fluconazol em pacientes que estejam recebendo também diuréticos, porém o médico deve ter em mente estas considerações. O fluconazol pode aumentar os níveis plasmáticos de fenitoína para um grau clinicamente significante. Se necessário, administrar ambas as drogas concomitantemente; os níveis de fenitoína deverão ser monitorizados para manter os níveis terapêuticos. A administração oral de fluconazol concomitantemente com alimentos, cimetidina ou antiácidos não acarreta alteração clinicamente significativa na sua absorção. A rifampicina acelera a eliminação de fluconazol (cerca de 20%). Em pacientes que estejam recebendo concomitantemente a rifampicina, um aumento da dose de fluconazol deve ser considerado. Em estudo farmacocinético realizado em pacientes com transplante renal, fluconazol em doses diárias de 200 miligramas mostrou aumentar lentamente as concentrações de ciclosporina. Mas em outro estudo com doses múltiplas de 100 miligramas diários de fluconazol, o mesmo não afetou os níveis de ciclosporina em pacientes com transplante de medula óssea. Portanto recomenda-se monitorização das concentrações de ciclosporina em pacientes que estejam recebendo fluconazol. Em estudo de interação placebo controlado, a administração de 200 miligramas diários de fluconazol durante 14 dias resultou em uma redução de 18% na média taxa do clearance plasmático de teofilina. Pacientes que estejam recebendo altas doses de teofilina ou os sinais de toxicidade à mesma enquanto estiverem recebendo fluconazol. Se aparecerem sinais de toxicidade deverá ser instituída mudança na terapia. Embora a terfenadina associada a outros antifúngicos azólicos leve à ocorrência de sérias disritmias e este fato não tenha sido observado com fluconazol, pacientes recebendo co-administração de fluconazol e terfenadina devem ser cuidadosamente monitorados. Os pacientes recebendo zidovudina e fluconazol devem ser cuidadosamente monitorados, devido ao desenvolvimento de reações adversas relacionadas à zidovudina.

Composição

Cada cápsula contém: fluconazol 150 miligramas

Apresentação

Caixa com 1 cápsula.

Laboratório

Laboratórios Sintofarma S.A.