Antipsicoticos



Neozine

Indicação

Para quê serve Neozine?

Neuroléptico.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Antecedentes de agranulocitose tóxica e deporfiria; risco de glaucoma por fechadura de ângulo; risco de retenção urinária, ligado a distúrbios uretroprostáticos; história de hipersensibilidade às fenotiazinas; três primeiros meses de gravidez; doença miocárdica, hepática ou renal grave; hipotensão, clinicamente significativa; presença de superdosagem de depressores do sistema nervoso central ou estados comatosos. A relação risco-benefício deverá ser avaliada nos seguintes casos: alcoolismo (associação é desaconselhável); câncer de mama; doença de Parkinson; úlcera péptica; distúrbios respiratórios crônicos, principalmente em crianças; distúrbios convulsivos, principalmente dos tipos Pequeno e Grande Mal.

Posologia

Como usar Neozine?

A posologia de Neozine é essencialmente individual e deve ser fixada pelo médico. Adultos: psiquiatria: iniciar com 25 a 50 miligramas divididos em 2 a 4 tomadas nas 24 horas; nos dias subsequentes aumentar lenta e progressivamente até se atingir a dose diária útil (150 a 250 mg); no início do tratamento, o paciente deverá permanecer deitado durante cada dose. Neuroses e afecções psicossomáticas: a dose útil se situa, geralmente, entre 6 e 12 mg: posologia é atingida progressivamente e repartida em 3 tomadas às refeições, reservando-se geralmente, a maior dose para a noite. Algias: administrar 50 mg, 2 a 5 vezes por dia; aumentar progressivamente a dose, se necessário, até 300 ou 500 mg; em seguida reduzir progressivamente até uma dose de, em média, 50 a 75 miligramas por dia. Analgesia pós-operatória: no período pós-operatório imediato, administrar uma dose inicial de 2,5 a 7,5 mg, desde que os efeitos residuais dos agentes anestésicos e outras medicações possam ser somados. Administrar em intervalos de 4 a 6 horas se necessário e supervisionar a deambulação. Medicação pré-anestésica: administrar 2 a 20 mg, 45 minutos a 3 horas antes da cirurgia. Frequentemente, a dose de 10 miligramas é satisfatória, e 15 a 20 miligramas podem ser utilizados para se obter uma sedação maior. Pode-se usar concomitantemente sulfato de atropina ou escopolamina HBR em doses mais baixas que o usual. Em pacientes idosos sensíveis aos efeitos dos fenotiazínicos, administrar dose inicial de 5 a 10 miligramas (0,25 a 0,5 ml) intramuscular. Aumentar as doses subsequentes gradativamente, se necessário. Crianças: de 2 a 15 anos de idade: 0,1 a 0,2 mg/kg em 24 horas. As gotas devem ser diluídas em água açucarada e nunca instiladas diretamente na língua. As ampolas devem de preferência, ser administradas pela via intramuscular profunda, sendo a via intravenosa de uso limitado. Quando necessário, recomenda-se diluir o conteúdo da ampola em 250 mililitros de solução fisiológica e administrar em infusão venosa lenta. Superdosagem: os sintomas de intoxicação aguda por Neozine são semelhantes aos do Amplictil (Clorpromazina), embora em menor intensidade e frequência: depressão do SNC, hipotensão e sintomas extrapiramidais (mais comumente síndrome parkinsoniana). Recomenda-se, nestes casos, lavagem gástrica precoce, antiparkinsonianos para os sintomas extrapiramidais e os cuidados habituais no tratamento da síncope e depressão respiratória, se estes chegarem a ocorrer.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Neozine é bem tolerado pelo organismo e ainda não se relatou distúrbios orgânicos de qualquer natureza a ele atribuídos. Entre os efeitos colaterais mais importantes destacam-se as reações de hipersensibilidade e as discrasias sanguíneas (mais comumente leucocitose, leucopenia e eosinofilia). A sonolência é, no entanto, a única manifestação frequentemente observada, principalmente no início do tratamento. Doses elevadas logo no início do tratamento podem provocar hipotensão ortostática causando síncope, principalmente em pacientes idosos. Neozine, entretanto, possui ação hipotensora notavelmente inferior à da clorpromazina. Podem ocorrer ainda palpitação, congestão nasal, edema dos lábios e da face, constipação e boca seca. Ocorrem, também, alterações da temperatura corporal. Observou-se elevação dos níveis de colesterol plasmático em alguns pacientes. As injeções intramusculares podem ocasionar ingurgitamentos locais dolorosos ou reações subfebris, que obrigam a abandonar esta via de administração.

Advertências e precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Vigilância clínica e, eventualmente eletroencefalográfica, em pacientes epilépticos devido à possibilidade de diminuição do limiar epileptógeno. A levomepromazina pode ser utilizada, mas com prudência, em portadores de Mal de Parkinson que necessitem de um tratamento neuroléptico. Na ausência de dados sobre a passagem através do leite materno, é desaconselhada a amamentação. A administração do produto em pessoas idosas exige certas precauções, tais como a verificação da pressão arterial e, às vezes, exame eletrocardiográfico. Recomenda-se evitar o tratamento prolongado, em mulheres com possibilidade de engravidar. Não se recomenda o uso de Neozine em crianças com menos de 2 anos de idade. Precauções de uso no glaucoma. É desaconselhável o consumo de bebidas alcoólicas durante o tratamento. - Advertência: em caso de hipertermia, é imperativo suspender a medicação, pois este pode ser um dos elementos da Síndrome Maligna que tem sido descrita com o uso de neurolépticos. - Interações medicamentosas: potencializa hipotensores, anti-hipertensivos e depressores do sistema nervoso central, tais como hipnóticos, tranquilizantes, anestésicos e analgésicos. O uso simultâneo com quinidina pode dar lugar a efeitos cardíacos aditivos. O uso com levodopa diminui o efeito terapêutico da mesma.

Composição

Maleato de levomepromazina.

Apresentação

Caixa com 20 comprimidos de 25 miligramas e 100 miligramas

Laboratório

Rhodia Farma Ltda.