Antiparasitario



Tiabiose

Posologia

Como usar Tiabiose?

Uso adulto e pediátrico

Introdução

Tiabiose Tiabendazol Creme e loção - uso tópico

- apresentações Tiabiose creme: caixa contendo bisnaga com 45 g.

Tiabiose loção: caixa contendo frasco com 50 mililitros

Informações ao Paciente

· TIABIOSE é um medicamento utilizado no tratamento da Larva migrans cutânea, infecção da pele comumente conhecida como "bicho geográfico" ou dermatite serpiginosa. TIABIOSE também é indicado para o tratamento da escabiose ou sarna e em alguns tipos de micoses da pele e pêlos.

· TIABIOSE deve ser conservado em lugar seco, fresco (temperatura entre 15 e 30o C) e protegido da luz, na sua embalagem original até o término de seu uso.

· O número do lote, as datas de fabricação e validade estão carimbados no cartucho do produto.

· Não utilize o medicamento com prazo de validade vencido.

· Para a aplicação correta de TIABIOSE , leia atentamente o item Instruções de Uso, contido na parte final desta bula.

· TIABIOSE não deve ser utilizado por pacientes alérgicos ao tiabendazol.

· Recomenda-se lavar as mãos após a aplicação de TIABIOSE . Se houver o contato de TIABIOSE com os olhos, aconselha-se lavar abundantemente com água e procurar orientação médica caso persista a irritação.

· A bisnaga e o frasco de TIABIOSE CREME e LOÇÃO devem ser fechados imediatamente após o uso.

· TIABIOSE deve ser utilizado por, no máximo, 4 semanas. Se, durante este período, não houver o desaparecimento dos sintomas da doença o médico deverá ser informado. Dependendo do grau e tipo da infecção, é necessário associar a administração oral de medicamento que contenha tiabendazol ou aplicar antimicóticos específicos para a eliminação completa da doença.

· TIABIOSE pode causar ardência local e descamação da pele na área da aplicação. Geralmente, esses efeitos são leves e desaparecem com a continuação do tratamento.

· Informe ao médico a ocorrência de gravidez durante o tratamento ou após o seu término.

· Informe ao médico se estiver amamentando.

· Informe ao médico sobre os medicamentos que está utilizando.

· Obedeça a posologia indicada pelo médico e não interrompa o tratamento sem o seu conhecimento.

· Informe imediatamente ao médico se ocorrerem reações indesejáveis.

SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

- INFORMAÇÕES TÉCNICAS A larva migrans cutânea, também conhecida como "bicho geográfico" ou dermatite serpiginosa, é causada pelo Ancylostoma brasiliense ou Ancylostoma caninum, os quais são parasitas do intestino de cães e gatos, sendo eliminados junto com as fezes desses animais.

A transmissão ocorre pelo contato do indivíduo em locais onde foram depositadas fezes de animais contaminados. As larvas penetram na pele do homem deixando rastros sinuosos, semelhantes aos de um mapa geográfico. As partes do corpo, frequentemente, atingidas são os pés, pernas, nádegas, mãos, braços e, mais raramente, boca e lábios. Algumas vezes, as lesões são múltiplas, podendo ocorrer em várias partes do corpo.

As crianças são as mais acometidas por brincarem com terra e areia, locais onde os animais costumam depositar as fezes.

No local de penetração das larvas, aparecem pequenas pápulas eritematosas que evoluem, assumindo um aspecto vesicular. Quando migram, as larvas produzem um intenso prurido e, nas lesões mais antigas, há formação de crostas, que desaparecem lentamente, deixando uma linha sinuosa escura, que posteriormente também desaparecerá. Nos casos de reinfecção, o quadro de hipersensibilidade agrava-se devido à ação antigênica das larvas, sendo frequente o paciente apresentar eosinofilia.

O agente causador da escabiose ou sarna humana é um ácaro, o Sarcoptes scabiei.

Os parasitas adultos localizam-se na pele do hospedeiro, perfurando túneis na epiderme, principalmente nas regiões interdigitais, mãos, punhos, cotovelos, axilas, virilhas, região periumbilical, nádegas, mamas, pênis e escroto.

A transmissão ocorre pelo contato direto com pessoas contaminadas, observando-se um alto índice de transmissão em ambientes coletivos, como creches e asilos. Existem diversas variedades de sarna; portanto a sarna de um cachorro ou gato, geralmente, não é transmitida ao homem.

A perfuração da epiderme, juntamente com produtos do metabolismo do parasita, gera prurido intenso, tornando-se mais evidente após o paciente deitar-se, quando o corpo se aquece. O ato de coçar pode lesar a pele possibilitando uma infecção bacteriana secundária.

O tiabendazol, derivado benzimidazólico, apresenta atividade anti-helmíntica de amplo espectro, atingindo principalmente as parasitoses causadas por Ancylostoma brasilienses, Ancylostoma caninum, Sarcoptei scabiei, Toxocara canis, Toxocara cati e Strongyloides stercoralis.

Age inibindo a enzima fumarato redutase mitocondrial e interfere na polimerização dos microtúbulos do parasita.

O tiabendazol também apresenta ação antifúngica no tratamento de micoses superficiais.

O tiabendazol é rapidamente absorvido pelo trato gastrintestinal, atingindo concentração sérica máxima em 1 a 2 horas, sendo praticamente não absorvido pela aplicação tópica.

A meia-vida do tiabendazol é de aproximadamente 70 minutos. Apresenta biotransformação hepática, sendo metabolizado quase completamente a 5-hidroxitiabendazol, o qual é conjugado a glicuronídio ou sulfato. Noventa por cento são eliminados pela urina e 5% pelas fezes.

A aplicação tópica proporciona baixa absorção de tiabendazol com ótimo efeito local, sem a incidência de efeitos adversos sistêmicos. A baixa concentração sérica permite o tratamento associado com a administração oral de tiabendazol ou outros anti-helmínticos.

- INDICAÇÕES TIABIOSE é indicado no tratamento das infecções por Larva migrans cutânea e da escabiose.

TIABIOSE também apresenta ação antifúngica no tratamento de micoses superficiais.

- CONTRAINDICAÇÕES Em casos de hipersensibilidade ao tiabendazol ou a qualquer componente da fórmula.

- PRECAUÇÕES Se houver o contato de TIABIOSE com os olhos, recomenda-se lavar abundantemente com água e procurar orientação médica se persistir a irritação.

Nas primeiras horas após a aplicação de TIABIOSE , recomenda-se não lavar ou utilizar sobre o local qualquer tipo de creme, pomada ou loção.

O paciente deve ser instruído sobre os métodos de prevenção da parasitose, como condições básicas de higiene pessoal e ambiental.

Gravidez e lactação: devido à baixa absorção do tiabendazol quando utilizado topicamente, TIABIOSE poderá ser utilizado durante a gestação e amamentação sob orientação e acompanhamento médico.

Idosos: não foram verificadas alterações de eficácia e segurança com a utilização de TIABIOSE em pacientes idosos.

- REAÇÕES ADVERSAS TIABIOSE é um fármaco bem tolerado. Geralmente, os efeitos adversos locais são leves e transitórios, não causando a suspensão da terapia.

Ocasionalmente, podem ocorrer, no local da aplicação, sensação de queimação, rubor e descamação da pele.

- INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS Não são conhecidos relatos de interações medicamentosas com o tiabendazol utilizado topicamente.

- POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO Tratamento da larva migrans cutânea: aplicar TIABIOSE CREME ou LOÇÃO sobre a região cutânea afetada, 3 a 4 vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas.

Se não houver melhora do quadro clínico após 4 semanas de tratamento, a medicação deverá ser suspensa e o diagnóstico da doença reavaliado com o médico. Dependendo do grau e tipo da infecção, é necessário associar a administração oral de medicamento que contenha tiabendazol para a eliminação completa da doença.

Tratamento da escabiose: o paciente deve tomar banho com água morna, durante 15 minutos, no mínimo, para amolecimento das crostas; secar-se e aplicar TIABIOSE CREME ou LOÇÃO nas áreas afetadas. Este procedimento deve ser realizado duas vezes ao dia, durante 5 a 10 dias consecutivos.

Tratamento de micoses superficiais: aplicar TIABIOSE CREME ou LOÇÃO na áreas afetadas, 3 a 4 vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas.

Se não houver melhora do quadro clínico após 4 semanas de tratamento, a medicação deverá ser suspensa e o diagnóstico da doença reavaliado com o médico. Dependendo do grau e tipo da infecção, é necessário utilizar antimicóticos específicos para a eliminação completa da doença.

- INSTRUÇÕES DE USO O local deve estar limpo e seco para a aplicação do creme ou loção.

A aplicação de TIABIOSE deve ser feita com quantidade suficiente do medicamento para ser distribuída pela superfície afetada com movimentos suaves e circulares.

TIABIOSE CREME ou LOÇÃO pode ser utilizado no couro cabeludo, cabelos e outras regiões pilosas do corpo.

Recomenda-se realizar a lavagem das áreas afetadas com TIABIOSE SABONETE antes da aplicação de TIABIOSE CREME ou LOÇÃO.

Não é necessário cobrir as áreas afetadas com gaze ou adesivos, após a aplicação de TIABIOSE .

A bisnaga e o frasco de TIABIOSE CREME e LOÇÃO devem ser fechados imediatamente após o uso.

Nas primeiras horas após a aplicação de TIABIOSE , aconselha-se não lavar ou utilizar sobre o local qualquer tipo de creme, pomada ou loção.

_ superdosagem Devido à baixa absorção do tiabendazol quando administrado por via tópica, a concentração sérica não será significativa para ocasionar uma superdosagem.

Não são conhecidos casos de intoxicação pela utilização tópica do tiabendazol.

A ingestão de TIABIOSE CREME ou LOÇÃO pode ocasionar sintomas gastrintestinais, como náusea, vômito, diarréia, distúrbios visuais e alterações psíquicas.

O tratamento consiste na realização de medidas usuais de esvaziamento gástrico e de controle dos sintomas.

MEDICAMENTO DE VENDA LIVRE DE PRESCRIÇÃO.

Farmacêutica Responsável: Dra. Dirce de Paula Zanetti. CRF-SP n 7758 Registro MS n 1.0550.0020 Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800 191291 A PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Laboratório

Indústria Brasileira